Cliente descobre funcionária de loja usando seu cartão de crédito

 Uma empresária de 34 anos viveu um pesadelo ao tentar resolver um problema com um cartão de crédito de uma rede varejista atuante em Paranaíba. Ao procurar a loja para contestar compras indevidas em seu nome, a mulher descobriu que a própria atendente que a ajudava era suspeita de utilizar o cartão para transações fraudulentas.

A história começou quando a empresária, que já era cliente da loja, decidiu solicitar um novo cartão de crédito. No entanto, ao tentar desbloquear o cartão, ela se deparou com a mensagem “número inexistente”. Intrigada, ela entrou em contato com a central de atendimento da loja pelo telefone 0800, onde foi informada que o cartão já havia sido desbloqueado e estava em uso.

Ao solicitar as informações das lojas onde o cartão havia sido utilizado, a empresária recebeu um susto ainda maior: diversas transações foram feitas em empresas de Paranaíba, incluindo uma companhia de telecomunicações, onde ela descobriu um número de celular vinculado a uma compra.

Inconformada com a situação, a empresária foi até a sede da rede varejista em Paranaíba para contestar os valores e buscar um esclarecimento.

 A vítima foi atendida por uma das funcionárias, que ofereceu seu número pessoal de celular para contato caso precisasse de algo, a mulher então descobriu que o número de celular vinculado à compra era o da própria atendente que a auxiliava a resolver a questão na loja.

.

Diante das evidências, a empresária não teve dúvidas: procurou outra loja da cidade onde o cartão havia sido usado e, através de imagens das câmeras de segurança, confirmou que a atendente da rede varejista havia realizado a compra utilizando seu cartão de crédito. O horário da compra nas imagens coincidia com o horário da compra na fatura do cartão.

O caso foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Paranaíba. O boletim de ocorrência revela que a primeira parcela da fatura do cartão, no valor de R$ 93,00, já teve vencimento na quinta-feira, dia 16 de maio.

Mais um detalhe intrigante: a própria atendente que supostamente utilizou o cartão de forma fraudulenta foi quem solicitou a contestação das compras, que somam R$ 1.200,00.

Jornalista, fotógrafo, editor chefe do portal InterativoMS e apaixonado por inovação e política.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.