Mato Grosso do SulParanaíbaPolíciaÚltimas notícias

Região de Paranaíba reduz crimes de feminicídio, furto e roubo em 2023

A região de Paranaíba, que abrange sete municípios do estado de Mato Grosso do Sul, Paranaíba, Aparecida do Taboado, Cassilândia, Chapadão do Sul, Costa Rica, Inocência e Paraíso das Águas,  tem motivos para comemorar. Segundo dados da Secretaria de Segurança e Justiça Pública, a região conseguiu reduzir em 100% os crimes de feminicídio até o mês de julho de 2023, em comparação com o mesmo período de 2022. Nenhum caso dessa natureza foi registrado nos municípios que somam 163 mil habitantes.

Além disso, a região também apresentou queda nos crimes de roubo à residência e veículos, que tiveram redução de 50% no período analisado. Outros crimes, como furto a veículos, residências e vias urbanas, também tiveram diminuição significativa em algumas cidades.

Esses resultados são fruto do trabalho integrado das forças de segurança pública locais, Polícias Militar e Civil, que contam com o apoio do Ministério Público e do Poder Judiciário nas ações para prevenir e reprimir a prática de crimes. Além da integração, os investimentos do Governo do Estado na capacitação, formação, aquisição de armamentos, equipamentos de proteção individual e destinação de viaturas policiais para a região também foram fundamentais para a melhoria dos índices criminais.

O tenente-coronel Paulo Ribeiro dos Santos, comandante da Polícia Militar na região, destaca que a engrenagem do sistema público tem que funcionar em perfeita sintonia entre todos os órgãos envolvidos, para que se possa obter os melhores resultados na busca do estabelecimento da ordem e da paz social para a população. “A palavra-chave é integração. O diálogo e as reuniões são imprescindíveis para o planejamento de ações”, afirma. O delegado Lucio Fátima da Silva Barros, titular da Delegacia Regional de Paranaíba, também ressalta os bons resultados obtidos pela Polícia Civil na região, que conseguiu reduzir o número de inquéritos policiais parados nas delegacias e agilizar a remessa para o Ministério Público e o Poder Judiciário. “Temos procurado agir na resolução dos inquéritos policiais proporcionando o IP mais ágil”, diz

Pablo Nogueira

Jornalista, fotógrafo, editor chefe do portal InterativoMS e apaixonado por inovação e política.

Deixe uma resposta