Pazuello garante a prefeitos alteração no plano de vacinação para incluir professores como prioritários

Pazuello garante a prefeitos alteração no plano de vacinação para incluir professores como prioritários

Em reunião com a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) na manhã desta sexta-feira, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que vai alterar o Plano Nacional de Vacinação (PNI) para incluir os professores como prioridade na estratégia de imunização. A medida é uma das reivindicações dos prefeitos. O ministro também informou que serão entregues 4,7 milhões de doses até o dia 28 de fevereiro e que todas as doses devem ser aplicadas, alterando a orientação do governo de reservar vacinas para segunda dose.

Pressionado para acelerar a vacinação no país, Pazuello disse aos prefeitos que serão entregues neste mês 2,7 milhões de doses da CoronaVac e 2 milhões da vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford, produzida pela Fiocruz. Os dois imunizantes precisam de duas doses.

O ministro falou o seguinte, pela velocidade que o Butantan que vai entregar, o Ministério da Saúde recomendaria que essas 4,7 milhões de doses sejam usadas todas de uma vez — disse o presidente da FNP, o ex-prefeito de Campinas (SP) Jonas Donizette (PSB).

A justificativa para a medida é a de que há garantia de que novos lotes serão produzidos. Em nota divulgada após o encontro, o Ministério da Saúde informou que receberá em março mais 21 milhões de doses do Instituto Butantan, que devem garantir a dose de reforço da CoronaVac. A orientação do fabricante é administrar a segunda aplicação em um prazo de 14 a 28 dias.

O imunizante da AstraZeneca possui um tempo maior de aplicação da segunda dose, de três meses. O laboratório deve disponibilizar no próximo mês mais 18 milhões de doses, entre unidades produzidas na Fiocruz e importadas, segundo a pasta.

Professores
Segundo Donizette, Pazuello também “garantiu que fará uma adaptação no PNI” para incluir os professores no calendário prioritário até o mês de março. Ele apontou a promessa como uma “vitória” dos prefeitos.

— Os prefeitos perguntaram (ao ministro) se poderiam assumir esse compromisso, e ele pediu mais alguns dias para poder confirmar, mas disse que a intenção é essa, trazer a vacinação dos professores para março — afirmou o presidente da frente, lembrando que em muitos municípios as aulas presenciais retornam no próximo mês.

A FNP também pediu ao ministro que haja uma orientação “mais precisa” sobre o uso dos lotes de vacina.

— Como não tinha vacina para todos os profissionais de saúde, ficou ao discernimento ao critério das autoridades locais, os prefeitos. Teve cidade que teve um critério e teve cidade que teve outro — afirmou.

Sobre a habilitação de leitos para tratamento da Covid-19 e o repasse financeiro para os municípios, o ministro disse aos prefeitos que “todos os leitos necessários, habilitados e usados serão pagos. Ninguém vai ficar com leito sem poder usar e sem receber pelo uso”.

Na semana passada, O GLOBO revelou que o Ministério da Saúde pediu R$ 2,861 bilhões ao Ministério da Economia para aumentar a quantidade de leitos de UTI contra a Covid-19 e conseguir pagar por 11 mil unidades até março.

Além de Donizette, participam da reunião os prefeitos do Rio, Eduardo Paes (DEM); de Manaus, David Almeida (Avante); de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT); de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL); de Curitiba, Rafael Greca (DEM); de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB);de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB); de Salvador, Bruno Reis (DEM) e de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB).

Pablo Nogueira

Pablo Nogueira

Jornalista, fotógrafo, editor chefe do portal InterativoMS e apaixonado por inovação e política.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: