Aumento de preços e inflação: entenda por que está tudo tão caro no Brasil

Aumento de preços e inflação: entenda por que está tudo tão caro no Brasil

Se antes ir ao mercado era motivo de alegria, hoje, a sensação que prevalece ao andar nos corredores é angústia. Com os juros na casa dos dois dígitos e a inflação em alta, os preços de alimentos e produtos básicos tiveram aumentos que ultrapassaram os 100%. Mas os salários não acompanharam.

Se você fez uma visitinha ao supermercado mais próximo nos últimos meses, é muito provável que tenha saído de lá com menos sacolas do que gostaria. Afinal, nos últimos 12 meses, os 10 alimentos que mais encareceram passaram por reajustes maiores que 50%, como a cenoura (121,18%), o maracujá (62,61%), o mamão papaya (61,67%) e o tomate (55,87%).

Em março, o indicador do IPCA foi o maior para o mês desde 1994, 11,3%. E, segundo o Boletim Focus de 28 de março, as expectativas de inflação são de 7,65% para esse ano, mais que o dobro da meta oficial, de 3,5%. Em resumo, o brasileiro perdeu seu poder de compra.

Mas por que a inflação é ruim?

Na verdade, ela não é. A inflação tem uma função simples, mas importante: incentivar os consumidores a comprarem agora. Afinal, ao saber que o preço irá aumentar, a tendência é querer comprar logo. Com uma maior demanda, os produtores entendem que devem produzir mais bens, contratar mais mão de obra, fazer mais investimento etc. e, no fim, se cria um ciclo “virtuoso” em que o dinheiro gira e todos os setores crescem.

Mas tudo isso depende de um detalhe essencial: que a inflação cresça aos poucos.

Quando a inflação aumenta repentinamente, os salários não acompanham o crescimento e o padrão de vida das pessoas cai – principalmente daquelas pessoas cujo salário é fixo. É nesse momento que muitas delas, inclusive, procuram “bicos” para complementar a renda.

Os preços aumentam, os salários não acompanham, os servidores pressionam as empresas, as empresas têm mais custos, os preços aumentam e assim sucessivamente.

Este conteúdo faz parte da newsletter semanal da Exame Invest. Clique aqui para receber as próximas edições.

Afinal, o que está por trás dessa alta?

Quando a inflação aumenta repentinamente, os salários não acompanham o crescimento e o padrão de vida das pessoas cai – principalmente daquelas pessoas cujo salário é fixo. É nesse momento que muitas delas, inclusive, procuram “bicos” para complementar a renda.

Os preços aumentam, os salários não acompanham, os servidores pressionam as empresas, as empresas têm mais custos, os preços aumentam e assim sucessivamente.

Este conteúdo faz parte da newsletter semanal da Exame Invest. Clique aqui para receber as próximas edições.

Afinal, o que está por trás dessa alta?

Segundo especialistas, o cenário não deve mudar tão cedo. Afinal, isso está acontecendo no mundo todo e o processo de ‘desinflação’ será mais lento do que se imaginava.

Os preços subiram, mas os salários não

Enquanto a inflação agia sobre o preço dos produtos, a renda média da população caiu e atingiu a mínima histórica nas regiões metropolitanas, chegando aos R$ 1378. E as famílias de baixa renda são as mais afetadas, porque o preço da cesta básica de alimentos compromete quase 60% (58,57%) do salário médio recebido. O salário mínimo ideal no mês de março deveria ter sido de R$ 6.394,76, por exemplo.

Os números mostram que a renda mensal dos brasileiros não é o suficiente para necessidades básicas. Por isso, a saída encontrada por muitos são os famosos “bicos”. Não à toa, 60% dos trabalhadores formais fazem algum trabalho extra para conseguir um aumento na renda, segundo uma pesquisa da BARE International.

Fonte: Exame.com

Da redacao

Da redacao

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: